Luizianne aprova mais recursos para combate à violência contra a mulher

Aluizianne_mulheres3 Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher (CMCVM) do Congresso aprovou três emendas da deputada federal Luizianne Lins (PT/CE). Os recursos garantirão, em 2020, a execução das seguintes iniciativas: implementação da Casa da Mulher Brasileira e de Centros de Atendimento às Mulheres; políticas de igualdade e enfrentamento à violência contra as mulheres; e prevenção à violência e à criminalidade contra a mulher.

A propostas previam R$ 3 milhões para cada emenda, que foram incorporadas a emendas de outras parlamentares da CMCVM. Os recursos se somam às ações e projetos de Luizianne em uma de suas principais plataformas de luta: os direitos das mulheres brasileiras.

Deputada Luizianne aprova mais três requerimentos na CMPI das Fake News

Titular daWhatsApp Image 2019-11-01 at 10.27.35 CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News do Congresso Nacional, a deputada federal Luizianne Lins (PT/CE) teve mais três importantes requerimentos aprovados nesta semana pelo Colegiado. Entre eles, a convocação de Peterson Querino, sócio da Quick Mobile, empresa suspeita de disparo de mensagens em massa durante a campanha eleitoral de 2018. Luizianne também conseguiu aprovar convites de audiência pública com a participação de pesquisadores da FGV que investigam o modo como as redes sociais estão sendo utilizadas e manipuladas para atender a interesses de grupos particulares. Além desses, a CPMI aprovou requerimento de participação de representante da Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ) no debate sobre a produção de notícias falsas.

Também por iniciativa da deputada Luizianne, no último dia 30 de outubro, a CPMI das fake News ouviu o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), que vem se destacando pelas denúncias sobre as condutas dos atores políticos nas redes sociais. Ele fez revelações graves sobre a utilização de um esquema de transmissão de notícias falsas pela campanha de Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 e que, inclusive, continua atualmente com apoio do governo.

Ao todo, Luizianne aprovou 29 requerimentos de convocação e convite. Nas reuniões anteriores, a parlamentar já havia emplacado convocação de representantes das plataformas de redes sociais WhatsApp, Facebook, Youtube, Instagram, Google e Twitter, que terão que explicar na CPMI, quais métodos utilizam para identificar e coibir a disseminação de notícias falsas na internet.

Luizianne aprova convocação de plataformas de redes sociais na CPMI das Fake News

TituBrasília- DF. 10-09-2019-  CPMI da fake news no senado. Foto Lula Marqueslar da CPMI das Fake News do Congresso Nacional, a deputada federal Luizianne Lins (PT/CE) foi a parlamentar que mais aprovou requerimentos de convocação no colegiado. Ao todo, Luizianne conseguiu emplacar 26 requerimentos dos 86 aprovados até o momento.

Com a aprovação, as plataformas de redes sociais WhatsApp, Facebook, Youtube, Instagram, Google e Twitter terão que explicar na CPMI quais métodos utilizam para identificar e coibir a disseminação de notícias falsas na internet. Além dessas plataformas, Luizianne também conseguiu aprovar a convocação de representantes de agências de marketing digital suspeitas de envio massivo de mensagens durante a campanha eleitoral de 2018.

Luizianne tem se destacado pela atuação firme nos trabalhos de investigação da Comissão e pelas críticas aos partidos que tentam obstruir os trabalhos do colegiado. “A sociedade brasileira precisa investigar a fábrica de Fake News que ameaça a sociedade brasileira, mas tem partido político que não quer que a investigação aconteça. Por que o medo?”, comenta  a deputada.

CPMI

Instalada no dia 04 de setembro, a CPMI tem o prazo de 180 dias para investigar ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e o debate público; a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições de 2018; a prática de cyberbullying sobre os usuários mais vulneráveis da rede de computadores e sobre agentes públicos; e o aliciamento e orientação de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.

Luizianne solicita audiência para debater censura ao movimento cultural LGBT

 

Luizianne-Lins lgbt

A de putada federal Luizianne Lins (PT) apresentou requerimento à Comissão de Cultura da Câmara solicitando a realização de uma audiência pública para debater a censura contra expressões culturais LGBT.A justificativa se baseia no fato de que exposições, manifestações públicas, peças teatrais, curtas e longas metragens vem sendo constantemente vetadas pelo governo federal, numa censura que nos remete a um passado que a sociedade não aceita e nem quer repetir.

“Como exemplo, podemos citar o caso de Fortaleza, em que o Centro Cultural do Banco do Nordeste (CCBN) exibiu exposição sobre a temática do casamento gay e teve seu diretor exonerado”, afirma Luizianne. Tal exibição estava vinculada as apresentações do Salão de Abril, exposição tradicional da cidade que acontece há mais de 50 anos.

Também escandalizam, neste momento, as seguidas perseguições contra a produção cinematográfica que aborda a temática LGBT.

“Nesse sentido, precisamos reafirmar a necessidade de políticas públicas que reconheçam os direitos de todos e todas, protejam as minorias, privilegiem a transparência, defendam a democracia e conceba a cultura como um direito, livre de preconceito”, assinala a deputada.

Luizianne Lins pleiteia recursos das emendas de bancada para universidades federais

A deputada federal Luizianne Lins (PT/CE) está pleiteando junto à bancada cearense na Câmara Federal e no Senado que R$ 50 milhões das emendas de bancada para 2020 sejam destinados às instituições federais de ensino do Ceará. A solicitação de Luizianne vem num momento de cortes de recursos que vêm afetando em grande medida as instituições federais. Além disso, o orçamento originalmente previsto para 2020 é absolutamente insuficiente para garantir a boa execução das atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como a continuidade de seus projetos.

 

Luizianne Lins pleiteia a seguinte disposição orçamentária:

Universidade Federal do Ceará (UFC) – R$ 25 milhões

Universidade Federal do Cariri (UFCA) – R$ 5 milhões

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) – R$ 5 milhões

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) – R$ 15 milhões